CASAMENTO É UM DOM DE DEUS

Os discípulos de Jesus disseram: Se é esta a situação entre o
homem e a sua esposa, então é melhor não casar. Jesus respondeu: Este ensinamento não é para todos, mas somente para aqueles a quem Deus o tem dado. Pois há razões diferentes que tornam alguns homens incapazes para o casamento; uns, porque nasceram assim; outros, porque foram castrados; e outros ainda não casam por causa do Reino do Céu. Quem puder, que aceite este ensinamento (Mt 19. 10-12). O ensinamento de Jesus era difícil mesmo para os doze, cuja atitude baseava-se no fato de que se as condições eram tão severas, o caminho mais certo seria não casar. Jesus dignificou o casamento muito acima do nível então aceito, declarando ser o princípio e plano divinos, de que o casamento seja indissolúvel. Os judeus, assim como os demais orientais daquela época, tinham um conceito errôneo a respeito das mulheres, quase compradas e até consideradas como propriedade do esposo. Jesus ressalta o valor da mulher, iniciando uma humanização que se desenvolve até hoje. Jesus reconheceu o valor do celibato quando assumido para melhor servir a Deus. Tinha entretanto, que ser voluntário. Sua prática depende do dom de Deus que capacita a pessoa para esta vocação. O apostolo Paulo escreve:  Realmente, eu gostaria que todos fossem como eu. Porém cada um tem o dom que Deus lhe deu: um tem este dom, e outro, aquele (1 Co 7.7). Geralmente o homem deve casar-se. Paulo prefere o celibato por boas razões. Irmãos, o que eu quero dizer é isto; não nos resta muito tempo, e daqui em diante os casados devem viver como se não tivessem casados. Eu quero livrá-los de preocupações. O solteiro se interessa pelas coisas do Senhor porque quer agradá-lo. Eu estou dizendo isso porque quero ajudá-los. Não estou querendo obrigar ninguém a nada. Pelo contrário, quero que façam o que é direito e certo e que se entreguem ao serviço do Senhor com toda a dedicação (1 Co 7. 29,32,35). E porque tem um dom (gr charisma) de Deus. O casamento exige dons também amor sexual é uma mútua, e não um favor. A ideia que a abstenção é mais santa veio do paganismo. Também você, marido, na vida em comum com a esposa, reconheça que a mulher é o sexo mais fraco e que por isso deve ser tratada com respeito. Porque a esposa também vai receber, junto com você, o dom da vida, que é dado por Deus. Aja assim para que nada atrapalhe as orações de vocês (1 Pe 3.7).  Que o casamento seja respeitado por todos, e que os maridos e as esposas sejam fiéis um ao outro. Deus julgará os imorais e os que cometem adultério ( Hb 13.4). Vivei com discernimento. O que Deus quer de vocês é isto: que sejam completamente dedicados a ele e que fiquem livres da imoralidade. Que cada um saiba viver com a sua esposa de um modo que agrade a Deus, com todo o respeito e não paixões sexuais baixas, como fazem os incrédulos, que não conhecem a Deus. O homem deve cumprir o seu dever como marido, e a mulher também deve cumprir o seu dever como esposa. A esposa não manda no seu próprio corpo; quem manda é o seu marido. Assim também o marido não manda no seu próprio corpo; quem manda é a sua esposa. Que os dois não se neguem um ao outro, a não ser que concordem em não ter relações por algum tempo a fim de se dedicar a oração. Mas depois devem voltar a ter relações, a fim de não caírem nas tentações de Satanás por não poderem se dominar (1 Ts 4.3-5; 1 Co 7. 3-5). Refere-se a direito sexuais, interrompam. É um termo militar, bloquear, discordância no lar, como a falta de discernir o corpo, que impede a comunhão com Deus. É pressuposto que o marido e a mulher orem juntos. Pois a pessoa  que comer do pão ou beber do cálice sem reconhecer que se trata do corpo do Senhor, estará sendo julgada ao comer e beber para o seu próprio castigo (1 Co 11.29). As mulheres sejam submissas a seus próprios maridos, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo este mesmo salvador do corpo (Ef 5. 22-23). Salvador do corpo. Assim como Eva estava sujeita a Adão, porque fora formada do seu corpo, a  Igreja, Noiva de Cristo, está sujeita a Ele, porque Jesus deu o seu corpo na cruz por ela. Assim, a igreja só pode existir em união íntima com Cristo e em submissão total a Ele. Sua vontade fica claramente exposta na Bíblia. Eis por que deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e se unirá a sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne (v.31). O homem deve amar a sua esposa assim como ama o seu próprio corpo. O homem que ama a sua esposa ama a si mesmo. Porque ninguém odeia o seu próprio corpo. Pelo contrário, cada um alimenta e cuida do seu corpo, como Cristo faz com a igreja (vs 28,29). O amor sacrificial de Cristo é o exemplo do amor que o marido cristão deve para sua esposa. 
Print Friendly and PDF