A CORRUPÇÃO

SALMO 53 É UMA SEGUNDA EDIÇÃO DO SALMO 14

Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem-se e praticam iniquidade; já não há quem faça o bem. Do céu olha Deus para os filhos dos homens, para ver se há quem busque a Deus. Todos se extraviaram e juntamente se corromperam: Não há quem faça o bem, não há nem sequer um. vs. 1-3. Uma descrição da corrupção universal. A corrupção universal se deve ao fato de os homens negarem a Deus. Não é apenas o homem ateu que nega a existência de Deus, mas também aquele que vive e age como se nunca tivesse que prestar contas ao Senhor. Então desceu o Senhor para ver a cidade e a torre, que os filhos dos homens edificavam; descerei, e verei se de fato o que têm praticado corresponde a esse clamor que é vindo até mim; e, se assim não é, sabê-lo-ei Gn 11.5; 18.21.  O  homem natural, o que não aceitou a salvação, não tem mérito próprio, pelo qual possa apelar perante o Deus que declara que todos pecaram Rm 3.23. No vss. 4-5. Acaso não entendem os obreiros da iniquidade? Esses que devoram o meu povo, como quem come pão? Eles não invocam a Deus. Tomam-se de grande pavor, onde não há quem temer; porque Deus dispersa os ossos daquele que te sitia; tu os envergonhas, porque Deus os rejeita. Revela-se um Deus de retidão. Os que invocam a Deus e que até o desprezam, são envergonhados. A retidão de Deus significa que Deus condenará o pecado. Ao mesmo tempo, porém, oferece o caminho da salvação e de perdão aquele que reconhece seu pecado, arrependendo-se e procurando a misericórdia divina. Na pessoa de Jesus Cristo, pelo seu amor, Deus oferece esta salvação Jo 14.6. Se o amor de Deus é desprezado, nada mais resta senão as duras conseqüências naturais do pecado e a vergonha eterna.